o corpo flutuante

 

O telespectador despersonificado,

jaz como a matéria humana que é.

Poupado do dessabor do perecimento,

transfere aos outros,

as memórias da lucidez.

 

Estes a guardam,

com o apego da esperança.

Contagiada, faço de mim

vítima tal

desta cruel quimera.

 

No balançar da cadeira, estridente,

o corpo se move, absorto.

Ele apenas vê a beleza das cores que dançam,

pleno por não mais entendê-las.

 

 

Anúncios